Nota Informativa

Como é de conhecimento da sociedade brasileira, o processo de sucateamento e privatização da Petrobras em curso no Brasil permitiu o acesso da iniciativa privada para dar continuidade ao trabalho até então realizado com êxito pela companhia estatal.

Reflexo disso é a chegada da Acelen ao Polo Petroquímico de Camaçari. Pertencente ao fundo soberano Mubadala, dos Emirados Árabes, a empresa foi criada para gerir a Refinaria de Mataripe (ex-refinaria Landulpho Alves), além de monopolizar toda a logística de distribuição. Como consequência prática, objetivando manter a operação da estrutura fabril, acarretou o surgimento de novas oportunidades de emprego.

A chegada da nova empresa, na medida em que promove processo seletivo com objetivo de contratar mão de obra qualificada, possibilitou escancarar a defasagem de salários e condições de trabalho praticados pelas demais empresas do Polo Petroquímico, além de abrir oportunidade para a busca de novos desafios aos trabalhadores da Bahia.

A Acelen tem oferecido contrapartida proporcional tanto do ponto de vista econômico, quanto no que se refere à possibilidade de desenvolvimento e ascensão profissional.

Neste cenário, por sua vez, atrai não só as pessoas que estão fora do mercado em busca de recolocação, mas sobretudo, profissionais já empregados em empresas vizinhas insatisfeitos, desestimulados ou que enxergam nesse novo projeto a possibilidade de realizar sonhos até então não alcançados em seus postos atuais.

Causa surpresa que necessariamente neste momento surgem denúncias sobre a reprovável e odiosa prática de ASSÉDIO contra as (os) companheiras (os) que sinalizaram sua saída da empregadora atual.

Diante disso, uma vez provocado e cumprindo seu dever institucional em defesa do interesse da categoria, a direção do SINDIQUIMICA buscou o sindicato patronal e representantes da Braskem para que colocassem as cartas na mesa.

Durante o diálogo, foi dito pelo sindicato patronal, bem como pela Braskem, que se opõe a qualquer forma de coação nas relações sociais, acima de tudo, quando consubstanciadas no ambiente de trabalho.

Não só ratificaram o compromisso de combater junto ao sindicato as referidas atitudes, bem assim, entendem o quão natural é esse processo de mudança de empresa.

Caso a Braskem e demais empresas petroquímicas considerem fundamental a manutenção dos seus quadros funcionais, que busquem o diálogo, a escuta das necessidades dos trabalhadores e, na medida do possível, equiparem ou superem as ofertas feitas pela Acelen na atração dos funcionários.

O Sindiquímica, por sua vez, defendeu a importância de preservar a autonomia da vontade do trabalhador, bem como, de sempre encorajá-los a buscar novos desafios sem que isso represente qualquer tipo de ameaça.

Assim sendo, a direção do sindicato se coloca à disposição não só para receber qualquer denúncia, mas também para lutar junto a cada um dos trabalhadores e trabalhadoras em busca de um ambiente cada vez melhor para se trabalhar.

Salvador, 12 de junho de 2022

Diretoria do Sindiquímica

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *