A empresa Apmbervevanso voltou a atrasar salários

 

A empresa APMbervevenso, localizada em Lauro de Freitas, vem desrespeitando diversos direitos trabalhistas estabelecidos pela Convenção Coletiva, com atraso de salário, férias, FGTS e PLR (Participação em Lucros e Resultados).

Os salários do mês de março dos cerca de 60 trabalhadores somente agora, em maio, foram pagos, quando já há outro salário vencido. Devido ao histórico de atrasos da empresa os trabalhadores ficam na incerteza.
Quem sai de férias não recebe as devidas remunerações. Somente quando retorna, a empresa começa a pagar aos poucos, em pedaços, sem prazo.
A Convenção Coletiva garante o pagamento anual de uma PLR mínima. A empresa está devendo o pagamento dos anos de 2019 e 2020.
Os trabalhadores também reclamam sobre o recolhimento do FGTS que, para alguns, não constam depósitos regulares. Trabalhadores antigos na empresa não tem quase nada nas contas do FGTS mesmo a empresa descontando mensalmente do trabalhador.

Com os processos de demissão, os trabalhadores ficam na insegurança sobre o recebimento das verbas rescisórias no prazo e corretamente como estabelece a lei.
O Sindiquímica vem sempre cobrando da empresa a regularização da situação. Não há justificativas para esses atrasos e pagamentos não realizados.
Antes mesmo de iniciar a pandemia, em fevereiro de 2020, a empresa começou a atrasar tudo. Os trabalhadores da empresa relatam que a empresa produziu de ventos em polpa
Os relatos dão conta de que esses últimos anos a produção foi boa.

APMbervevenso deveria levar em consideração as dificuldades que os trabalhadores vêm passado devido à pandemia de Covid 19, que trouxe várias dificuldades à vida das famílias, que passam dificuldades para sustentar os filhos, pagar contas e garantir a alimentação.

Em 2020, mesmo aplicando a Medida Provisória de redução de jornada e salários, a empresa não arcou com o pagamento que cabia. Houve atrasos somente regularizados recentemente.
O sindicato já realizou várias reuniões com essa empresa na SRTE para discutir esses atrasos, porém no decorrer do tempos a empresa alega uma serie de dificuldade e acaba não cumprindo os prazos acordados.
Os trabalhadores estão mobilizados e dispostos a cobrar da empresa o que é devido.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *