Em defesa da democracia e direitos, mulheres da CUT aderem ao movimento #EleNão

Em defesa da democracia e direitos, mulheres da CUT aderem ao movimento #EleNão

Contra o avanço e fortalecimento do fascismo, machismo, misoginia, racismo, homofobia e todos os preconceitos, o grito #EleNão ecoará em mais de 90 cidades brasileiras e 60 países do mundo, neste sábado (29).  Em Salvador (BA), a programação do movimento #Elenão começa a partir das 13h30, com o show da cantora Daniela Mercury. Também vão animar a concentração a Banda Didá e Thathi.

Em defesa da democracia e dos direitos e contra o avanço do fascismo, machismo, misoginia, racismo, homofobia e todos os tipos de preconceitos, as mulheres da CUT se somam aos atos contra o candidato a presidência da República, Jair Bolsonaro (PSL), neste sábado (29).

As sindicalistas gravaram uma série de vídeos convocando as mulheres de todo o país a ocuparem as ruas amanhã deixando claro para a sociedade porque  não querem o candidato de extrema-direita na presidência do Brasil. Assista os vídeos publicados no final desta matéria.

#EleNão será a palavra de ordem das jovens, mães, viúvas, avós,  lésbicas, trans, heterossexuais, gringas, loiras, ruivas, negras, quilombolas, índias, trabalhadoras de todas as Regiões e categorias profissionais, do campo e da cidade, de todas as classes sociais e credos que ocuparão as ruas de mais de 90 cidades brasileiras e 60 países do mundo.

O movimento só cresce. Além das CUTistas e das três milhões de mulheres que participam do grupo oficial contra o candidato, “mulheres unidas contra o Bolsonaro”, artistas, juízas e milhares de brasileiras e de várias nacionalidades também já afirmaram em redes sociais que vão reforçar o coro do #EleNão.

Nesta sexta-feira (28), as cantoras Madonna e Cher usaram a hashtag #EleNão no Twitter e as redes sociais entraram em polvorosa.

Fonte: CUT

e-max.it: your social media marketing partner